quinta-feira, 14 de maio de 2009

O que todo mundo queria dizer...

Saiu hoje no Jornal do Tocantins um artigo sobre os benditos shows do V Salão do Livro. E era o que todo mundo queria dizer e é o que eu acho que a organização deveria fazer na próxima edição. Leiam aí. Parabéns à autora pela iniciativa!!

_______________________________________________________________

Shows abertos ou fechados

Mariama Rezende
é estudante de Direito na UFT, sempre ganha convites para os shows, mas não para de pensar em quem não os consegue
mariamarm@gmail.com

O Salão do Livro é um evento importante e já é motivo de orgulho para os tocantinenses. Possibilitar acesso à cultura e disseminar o hábito da leitura é extremamente positivo. Mas existe algo de muito pouco lógico no evento. O que muitos sempre questionam é a necessidade de ‘convites’ para assistir aos shows.

Os convites são primeiramente distribuídos em secretarias e escolas e, naturalmente, chegam primeiro a pessoas que se valem de influências para consegui-los. Quem não tem influência enfrenta enormes filas que, dependendo da popularidade dos shows, se tornam humilhantemente cansativas.

Outra opção é encarar uma outra fila (bem maior, acredite) e torcer para que sobre um lugarzinho dentro de um auditório pra você. Um pouco incômodo para prestigiar um espetáculo que você ajudou a bancar, não?

Afinal, quem paga tudo aquilo, não é a população? Eu e você? Sim, pois não deveria ser “Para todos”? No lado prático da questão, ao invés de enfrentarmos filas, poderíamos estar comprando livros.

Fica aqui uma sugestão, minha e de muitos, com certeza: queremos que o palco maior seja montado do lado de fora, para shows abertos no Salão do Livro. O auditório maior continuaria sendo destinado a palestras. Tudo certinho, enfim.

Quem sabe assim, ano que vem, consigamos realizar aquele sonho de assistir O Teatro Mágico, por exemplo, de um lugar mais fresquinho e agradável. Quem sabe eles consigam assim mostrar seu trabalho para um número maior de pessoas e também para aquelas que nunca ouviram falar deles antes. Imagine toda aquela energia do Cordel do Fogo Encantado sendo absorvida por tantas outras pessoas que, como cidadãos contribuintes, também ajudaram a trazê-los. Imagine a magia do Grupo Tholl encantando um pouquinho mais da população palmense.

Em shows, de longe mais agradáveis, poderíamos pedir ‘bis’ sem correr o risco de incêndio (como aconteceu no show do dia 11/05). Poderíamos quem sabe, ficar mais tranquilos ao simplesmente ver a lua, que brilhava cheia bem ali acima de nós.

Quem sabe ano que vem, durante seja qual for o show, as pessoas da platéia consigam beber água caso sintam sede! Vejam que é também uma questão biológica.

Shows mais agradáveis, enfim, não só aos olhos mas a todos os outros sentidos. Afinal, como diriam os organizadores... “Você é o convidado especial!”

5 comentários:

  1. Pow... muito BOM o texto e totalmente verídico...

    Amanhã espero anciosamante conseguir ver a palestra do Marcelo Tas...

    =]

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o texto! Eu também ganho ingressos, mas penso naquelas pessoas que são como eu, mas por não conhecer ninguém de “dentro” do evento, estão desfavorecidas.
    A sensação que tenho é que os shows do salão do livro não são voltados para os tocantinenses, como deveria ser e sim para uma minoria “privilegiada”. Por mais que a estrutura seja fantástica – o teatro itinerante – a organização do evento deixa a desejar em relação a um monte de coisas. Mas eu vejo isso como um feedback efetivo, vem mostrar que as pessoas estão prestigiando o salão, estão buscando a tal “cultura” proposta. Outra coisa, esse evento ganhou uma proporção tão grande, que o governo ainda não absorveu isso, e se finge não ver. Acesso, essa seria a palavra chave para fomentar esse que é com certeza o melhor evento que o Tocantins já teve.

    Desculpa a intromissão, mas como estudante e participante do Salão do Livro, acho válido abri uma discussão em relação a isso. Afinal é obrigação nossa debatermos esses assuntos que norteiam o nosso estado.

    ResponderExcluir
  3. E você está certissímo. Não precisa pedir desculpa não. Esse espaço é para isso também. :D

    ResponderExcluir
  4. Palavras mto bem colocadas!!!
    Conseguir ingresso para a palestra do Tas foi missão impossível. Era a 15ª da fila, e depois de 2 horas de fila, distribuiram apenas 5 (CINCO!!!!)convites.

    ResponderExcluir
  5. Trata-se de uma imoralidade a maneira como é feita a política de distribuição de ingressos por parte da "organização" (lembrando que o termo 'organização' só remete, neste caso, à palavra que era utilizada como sinônimo para a máfia durante o século XX) do Salão do Livro. É um evento maravilhoso, dentre outras questões, pela pluralidade da própria programação, é pena, porém, que só desfrutem de tal, alguns poucos, já previamente selecionados, entre os quais felizmente não me encontro. E em pensar que como contribuinte sou uma das inúmeras financiadoras dessa o-r-g-a-n-i-z-a-ç-ã-o... que desgosto!

    ResponderExcluir