sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Consciência de quê?



Hoje, 20 de novembro, comemoramos o Dia Nacional da Consciência Negra. Mas, consciência de que ainda existe preconceito contra NÓS: negros? Agora vem o povo do 'deixa disso' e expressam que não existe preconceito racial no Brasil: gente, existe sim! E nem é velado! É sim, escancarado!
Não quero fazer embasamentos teóricos, e sim, dizer o que penso com relação a determinadas coisas relacionadas a esse dia.
Pequenas atitudes, seja de uma pessoa branca, amarela, rosa ou negra (isso, negros também são preconceituosos) já denotam a 'repugnância' por uma pessoa negra e muitas vezes acontece sem a gente perceber. Somos preconceituosos. Seja com pessoas ou elementos que identifiquem a cultura negra e eu, juro, que não sei por quê. Algumas coisas que me deixam P. da vida quando se discute a 'identidade negra'
Primeiro: CABELO.
Eu tenho escova progressiva e daí? Acho que fica mais bonito em mim e pronto. Minha irmã adora os seus cachos e é feliz com isso. Agora não dá para escutar uma professora da minha especialização dizer que eu estou no processo de 'braqueamento' porque uso o cabelo liso! Que estou 'renegando' minha identidade. Ora bolas, creio que identidade não tem nada com meu cabelo. Cabelo é cabelo. Na verdade, como diz uma amigo meu é moldura do rosto. Meus traços de negritude estão comigo e pronto: cor, genética seja o que for. Eu sou negra e uso meu cabelo liso. (Eu quase bati nela naquele dia.. juro para vocês)
Segundo: ESCOLHAS
De quem você desconfia primeiro? E isso vale para todas as situações onde há crime ou perigo no meio. Você está andando na rua e vem um negro e um branco na sua direção. De quem desconfiará?
E outra, na balada, os negros sempre se dão mal. Porquê a pessoa que todas 'querem' é o rapaz branco de cabelo preto ou a moça branca de cabelo claro? Percebo que todos nem olham para os negros, simplesmente se afastam.
Não sei se é a mídia que projetou, aliás, projeta 'modelos' de homens e mulheres perfeitos ou é nossa educação que tem falhado (e muito) na construção da imagem que o negro tem na sociedade.
Crianças são as mais suscetíveis a serem preconceituosas. Aff. E como não mentem, dai já viu..
Aconteceu um episódio comigo com um 'serzinho' desse: ele não queria ficar comigo enquanto a mãe dele ia pegar 'não sei o quê', porque como ele disse: "mas ela não é preta mamãe? não pode, né?'
Foi muito chato. Foi terrível. Enfim. Já faz muito tempo.
Terceiro: ESCOLA
Se você ainda estuda (escola ou universidade) e olhar um segundo ao redor para seus colegas de classe verá que a porcetagem de negros em sala é MUITO pequena. Na minha turma de Jornalismo éramos 5 negros em uma turma de 45 pessoas. E ainda tem gente que é contra as cotas para negros. É dificil ser negro nesse país, viu...
Historicamente, todos nós sabemos que os negros foram menos favorecidos tanto em empregos quanto em educação.  Precisamos de politicas públicas QUE FUNCIONEM de fato para a inclusão do negro na sociedade. Ou pelo menos que a cultura negra seja reconhecida e ensinada nas escolas. Vamos educar nossas crianças!  Estamos caminhando aos poucos, mas falta muito para alcançarmos uma sociedade igualitária. O Brasil é tão colorido que nem o negro, nem o branco e nem o amarelo são predominantes na Terra de Vera Cruz. Somos híbridos! Uma mistura que não tem como explicar, apenas viver. E se fosse com o mínimo de respeito para com as pessoas de todas as cores seria muito melhor. Não é mesmo?

Um comentário: