domingo, 14 de março de 2010

Bares da Vida


Ontem, saí com minha amiga portuguesa, Helena, para uma 'Calourada'. Nunca me senti tão 'tia'. Menininhos e menininhas brigando de ser gente grande. Bebendo, fumando, agarrando tudo e todos... uma loucura, ou seja, um ambiente que não ficamos à vontade e que sinceramente, já foi.
Engraçado que lembramos na hora do nosso boteco favorito aqui em Palmas, pois além de ser pertinho de casa, tem música ao vivo, gente bacana e interessante de se conhecer e claro, minha bebidinha do momento: montilla e refrigerante de coca. \o/
Só com duas doses sou uma pessoa feliz e alegrinha! rsrs
Voltando ao bar...
Quando eu era caloura queria ir nas festas mais badaladas e das repúblicas famosas daqui de Palmas. Afinal, naquela época existiam festas (massa-pra-caralho) com preços acessíveis e gente diferente. Nessa que fomos ontem, todas as meninas usavam o mesmo modelito (cintura-alta, colares de pérolas e salto) e os meninos com aquele 'ar' de playboy. Enfim, um saco.
Tivemos que passar no nosso buteco! Mas daí veio uma chuva torrencial e demos meia volta. :(
Depois desse apêndice sobre a 'Calourada', o que quero dizer mesmo é que assim como temos fases na vida, temos fases de bares. Acredito que um está interligado no outro.
Por exemplo, no decorrer da universidade eu frequentei vários botecos de Palmas. Já bebi até em Taquaruçu! (rsrs) Minha turma do Fundão (sim, eu era do Fundão. não perdi nenhuma disciplina e formei no tempo certo) já abriu e fechou bar, fez circuito de bares em uma noite (rodoviária-vila união), bebeu em casa, na cachoeira, na praia, em frente ao antigo Caçulinha 24horas, além de beber a mais barata (para ter mais). Bebemos Palmas e sem dor na consciência. Saudade desse povo! A maioria mora em outros estados e outros países.
Daí passa a universidade, e todo mundo quer seja 'refinado'. Eu fui embora de Palmas e depois de um ano voltei para terrinha e os velhos bares já não existiam mais.. :(
Aí vem o problema. Você trabalha e não pode fazer essas loucuras de beber até morrer. Começa a beber em busca de qualidade e não quantidade, como era na universidade. E claro, passa a gastar mais e não quer saber de sair sem grana.
Sempre digo que na faculdade cada um saía com R$ 5,00 e voltava feliz, trupicando e rindo do mundo. Hoje, com esse valor, não consegue-se pagar nem o couvert e toma uma Long Neck."
Finalizando, esse discurso todo. De todas as fases de boteco que tive, essa é a melhor. Beber com qualidade é bem melhor, mesmo que se pague um pouco mais, porque nem ressaca se instala em você. Aconselho: uísque (cowboy), Montilla, Absolut, Heineken e Bohemia. (está na ordem de preferência)


:D

2 comentários:

  1. "Não adianta, a gente gosta é do Trupe" Rss Excepção para o Chopileque na 6ª, que estava massa pra karai! ;) kkk

    De resto, não consigo deixar de pensar nas velhas festinhas universitárias (da 24, da 51, ocasionalmente da 13)com uma grande nostalgia! Me pergunta se eu era feliz nessa época... Ohhh, se era!! :D Mas hoje estamos aí tbm! =D E 2010 tem sido tudo de bom! :)

    ResponderExcluir
  2. as cidades estão enfestadas de crianças. em todos os lugares.

    ResponderExcluir