quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Cheguei, ora pois!


Cheguei.
Depois de passar um pouco de raiva com a TAM (arrebentaram minha mala) e a TAP (por simplesmente, eu não estar marcada nos vôos) cheguei a Braga. Um frio do cão! 12 graus!
Mas, contando sobre o começo. Saí de Palmas, às 4h e naquele momento o termômetro marcava 26 graus! Isso mesmo, madrugada pegando fogo na capital tocantinense. Tudo tranqüilo no vôo, tirando a barbeiragem do piloto da TAM na hora de pousar (freou bruscamente) eu sai viva e morrendo de sono. Na noite do domingo, ficamos bebendo a noite toda e eu não conseguia ficar em casa por causa do calor e da vontade danada de chorar. Ai! Como é ruim sentir saudades.
Enfim, minha prima foi me buscar no aeroporto de Brasília e de lá fomos até a Embaixada pegar meu Visto. Depois de um chá de cadeira de 1h30, consegui a autorização para viajar para terras lusitanas.  Na Embaixada mesmo já peguei algumas dicas com o médico veterinário Eduardo que estava terminando seu mestrado em Lisboa. Foram ótimas e TODAS utilizei já no meu primeiro dia aqui.
Eu e Mayara fomos para casa dos meus tios e simplesmente CAPOTEI. Mas Brasília estava tão quente, seco e abafado que o sono não foi muito proveitoso. As 14h30 desci para o aeroporto para embarcar para Portugal. Quanta gente! Mais de 1h30 esperando na fila para o check-in e gente de todo tipo: casais apaixonados despedindo-se (nesse momento lembrei-me de uma pessoa em especial, vulgo codinome é Roberval... rsrs.. rimou), padres, freiras, bebês, povo branco, amarelo, rosa e preto...
Bom, na hora de me acomodar no vôo (um avião modelo A330) vejo os belos comissários portugueses. Iara e Maianna adorariam, pois eram do jeitinho que elas gostam... rsrsrs
Nosso jantar foi polenta com carne bovina de panela, pão, bolo de mandioca, saladinhas e outro pão lá (Eita povo que gosta de pão!)
Minha vizinha de poltrona era uma baiana que ia visitar a filha na Espanha e sentei no corredor. Um saco! Toda hora passando gente. Dormir? Foram 10 horas de vôo sem saber o que era isso! Pescoço e articulações todas doloridas e sinto-me cansada ainda hoje.
Sei que passei meu tempo batendo papo com a ‘tia’ baiana, assistindo ‘Sexy and the City 2” e o “Príncipe Persa”, além de ler (e reler mil vezes) a bandeira do meu Brasil com os votos de sucesso do meu povo e ver (e rever duzentas mil vezes) as fotos que trouxe. Bom, nesse momento, eu chorei. Caladinha, mas chorei tudo que tinha para chorar: a família, meus irmãos, meus pais, meus amigos, meus colegas  e alguém em especial. É tão difícil sentir saudade e não desistir!
Quando estava quase no meio da duração do vôo (e eu sabendo que embaixo de mim só tinha água) pensei assim: “É neguinha, agora tu rodou. Vá e faça das coisas as mais perfeitas possíveis...”
Preocupo-me com o que vim fazer aqui: estudar!
E sempre vou fazer o melhor que puder.
É tudo novo. Ainda não caiu a ficha.
A primeira semana é a mais difícil...
Mas eu dou conta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário