sábado, 23 de outubro de 2010

E só restam 4 meses...

Olá! Pessoas do meu Brasil e do mundo!
Bom, na próxima quarta-feira, completo 1 mês de 'vivência' em Braga, Portugal. E hoje, dia 23 de outubro, faltam exatos 4 meses para eu voltar para meu Brasil lindo! Claro que isso também denota que só tenho 4 meses para estudar e ler tudo sobre a minha pesquisa (e não é pouca coisa não!). Mas deixo essa preocupação com os estudos de lado e apego-me ao retorno para casa.
Muitas pessoas devem está se perguntando porque eu quero voltar para casa, sendo que estou na EUROPA. Grande coisa! Isso aqui é tão normal. Vivo a mesma rotina que vivia em Palmas, ou seja, UFT-casa-UFT-Trupe, e aqui, UMinho-residência-UMinho-Rick. Enfim, nada de excepcional!
Quer dizer, é frio, as pessoas são diferentes, os costumes.. Acredito que isso é que possa influenciar no meu crescimento pessoal porque você passa a aceitar mais as pessoas como são e aprende principalmente, a ter mais paciência e tolerância.
Sobre o crescimento profissional sei que, por enquanto, estou absorvendo muito conhecimento e percebendo claramente que o mestrado que curso no Brasil é tão bom (quiçá melhor) quanto os que estou frequentando aqui em Braga. E ainda não sei se vou colher frutos desse investimento aí no Brasil. Só chegando para saber...
Sobre a rotina aqui.
Eu já me adaptei. Não gosto da cidade, mas já me adaptei a viver aqui esse 'tempinho'.
Muitos alunos estrangeiros que estão aqui são da graduação e querem o 'oba-oba', viajar e torrar a grana dos pais. Eu que me mantenho aqui e sinceramente, não vou gastar meus míseros euros com farra, porque no Brasil, fazemos isso com excelência! rsrs
Agora, claro que penso em viajar para alguns países, mas isso depende das minhas aulas e tudo indica que só acabam na primeira semana de fevereiro, daí tenho uns 15 dias para passear um pouco e ver as cidades que quero conhecer, como Barcelona, Berlin, Paris e Roma (Pisa, Vaticano, Firenze, Bolonha). Só essas mesmo..
Mas nem tudo são flores e algumas coisas que considero estranhas, melhor dizendo, me irritam, mesmo!
  •  Os portugueses adorar cuspir e assoar o nariz em qualquer lugar. Por exemplo, estamos em plena aula e o rapazinho pega seu lenço com aroma de hortelã e dá aquela limpada no nariz, do tipo: Ei, eu to cheio de catarro e doente! Servidos? :P
  •  O lenço de papel. T-U-D-O eles limpam com lenço de papel! Gente! Vamos pegar uma bucha com sabão e lavar? Aff!
  •  Os portugueses não conversam. Eles GRITAM! Daí, você acredita fielmente que eles estão brigando feio. (Acho que já disse isso!)
  • Falando em gritar, lembro dos meus vizinhos "ciganos". Gente! Quanto barulho! É menino na rua brincando, buzinas, senhoras conversando alto, um verdadeiro cortiço! Sim, mãe e pai, moramos ao lado da favela portuguesa.
  • Quando me chamam de “MENINA”. Ai Jesus! Que isso dá uma agonia e aquela sensação de “fiz alguma coisa errada?”
  • Reforçar que odeio morar em apartamento, pois não suporto escutar o barulho do salto das minhas coleguinhas do Bloco A do terceiro andar. Porque elas andam tanto às 00h30? Saco, viu!
  • Porque sempre que me visto para sair penso que estou usando roupa demais e quando volto para casa, após as aulas, tenho a certeza que podia ter trazido mais um casaco ou cachecol (um edredom, quem sabe?)
  • Como pode uma universidade pública ter taxa? Sim! Aqui, as universidades públicas são pagas. Uma vez ao ano, mas mesmo assim: pagas! São as chamadas ‘propinas’, que no Brasil, significa outraaaa coisa!
  •  Outra revolta: você não encontra AGUA! Meu Deus! Não existem bebedouros por aqui na universidade. Quer beber água meu filho? Vá comprar nas maquininhas!
  •  Ahh! E nossa dieta super ‘do bem’? Imaginem só viver à base de peixe, porco, batatas, cenoura, vargem, couve e repolho? Sim, comemos isso praticamente todos os dias.  As vezes temos porco, batata e vargem, outra porco, cenoura e couve, e até dias que nos deparamos com porco, batata, vargem e cenoura. Super diversificado!
  • Claro que eles servem de vez e nunca um arroz, e sim, feijão. Mas sabe aquele feijão que estava congelado e você fez para o almoço e ficou super feio? É desse bem aí! Só que sem sal. (Alguém pode mandar uma tonelada de sachê de “Meu Feijão”?) p.s: nessas horas eu podia está ganhando uma grana com esse merchan, né?!
  • Mais uma vez: ter que pagar para tudo! Até para saber se aquelas malditas batatas me fazem engordar, temos que pagar 0,50 cêntimos na balança! Aqui é assim, temos que aproveitar para respirar um pouco... Mais um pouco... Pronto, vai que eles começam a cobrar também!
Claro que também existem coisas legais por aqui, mas ainda estou procurando e depois conto com mais detalhes! Já posso adiantar uma coisa: estou me realizando nas aulas e com a biblioteca. Estou mais feliz que pinto no lixo com vários livros para ler, tanto das disciplinas como da minha pesquisa.
E na biblioteca, podemos pegar até 6 livros e devolver com 14 dias! 
E mais: renovar pela internet! 
Adoro a tecnologia e a confiança da universidade em seus alunos! 
Ô UFT... Copia isso, é bacana!
rsrsrs..
No mais, é isso! 
Um mês aqui. E só esfriando..
Dizem que neva em janeiro e chega abaixo de 0º. Será? rsrs
Li um provérbio português esses dias, quando lia um texto para apresentar seminário em sala que dizia o seguinte: "Cada um é filho das suas obras".
Que eu colha bons frutos nas terras tupiniquins!
Que assim seja!


Fotos das coisas como são por aqui!

Busão lotado da residência até a Universidade.
Avenida Liberdade no Centro Histórico

No Jardim Santa Barbara com meus amigos brasileiros (Jaison-MT, Hermes-PB e Fabricio-DF)
Pátio em frente a Biblioteca na UMinho

Sala de aula no Complexo Pedagógico I

Cantina da Residência Universitária

Apresento-lhes o iogurte de cheiro (totalmente sem gosto e cor)

Rua de Braga (passo por aqui para ir até a UMinho - 30 minutos de caminhada)

Coleta seletiva de lixo (encontramos em praticamente todas as ruas)

as árvores denunciando o outono

Sala de estudos do Instituto de Ciências Sociais
Vista da cidade no Instituto de Ciências Sociais

Entrada da UMinho

Monumento em frente a UMinho
Para lembrar sempre do meu povo!
Vizinhos barulhentos!
Minha 'casa' -Bloco A

Rua da minha'casa'.

5 comentários:

  1. cruzessssssssssssssss, essa do lencinho é f....da!
    agora o tal do iorgute sem cor e gosto, hum sera se é bom. Vai postando as fotos aí, q ta massa. Ou as ruas lá são limpinha mesmo, ou vc só fotografou depois q os garis marcaram a presença, rsrsrrs beijos e sorte garota!

    ResponderExcluir
  2. Pois é Poliana, tudo é questão de perspectiva. Não é fundamental que se deslumbres com as coisas da Europa ou de Portugal, mas tens de ter o coração aberto para as diferenças culturais. Por ser um país mais frio, é lógico que há coriza... ou seja, eles vão assoar o nariz para não reter o ranho e obstruir as vias respiratórias. Aprendi a andar com um lenço justamente para isso. Vivi dois anos em Lisboa e regressei ao Brasil no início de Novembro.

    É importante, porém, que estejamos cientes do que vamos nos deparar. Amar o Brasil e valorizar a nossa terra é bacana, mas o respeito pelo que é do outro e como é o outro - ainda que às vezes exista sim esse "mau humor" e insensibilidade por parte dos portugueses - nasce da nossa capacidade de abrir-se para o distinto.

    Tente comprar outro iogurte (no Pingo Doce tem boas opções), porque tem muitas marcas boas. Vá numa H&M, Pull&Bear ou Stradivarius e compre um bom casaco reforçado, para evitar sentir frio. A água da torneira é potável, por isso são poucos bebedouros. O bacalhau é prato típico e não arroz com feijão - ainda que em Lisboa a comida da faculdade fosse boa e servida muito mais com arroz que com feijão. Há farmácias no Brasil que paga-se para pesar... então não é exclusividade de Portugal (que tem umas das propinas mais em conta da Europa, pode ter certeza!)

    Procure viajar, em vez de "farrear". Assim vais abrir muito a tua mente para as coisas que existem em Portugal (saindo de Braga) e no resto do continente. Aproveite esta oportunidade que tens, porque com certeza vais ver que no futuro estavas muito fechada a determinadas situações.

    E aproveite a estada!

    Cumprimentos,
    Gustavo

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Gustavo. Já estou bem "adaptada" com acidade, coma comida e com o frio! E não sei se deixei bem claro, mas não estou "farreando". Viagnes? Sim, as farei.
    Obrigada pelas dicas.
    Mas que estou louca para voltar para casa, isso estou!
    :)

    ResponderExcluir
  4. Hehehehee. Eu sei que não estás farreando... li teu post a dizer que preferes gastar de outra maneira o dinheirinho tão suado.

    Sabe por que te escrevi? Porque tive várias amigas brasileiras (e normalmente é com mulher que dá-se isso) com o mesmo sentimento que você tem. Uma do Ceará, uma mineira, uma de Cuiabá... ou seja, com saudade de casa e do Brasil e certo "cansaço" por estar onde está. E fico sentido porque há tanta coisa a absorver, mas é preciso ter o coração aberto e a mente disposta a aventurar... tão pouco tempo... acho que uma forcinha, um desapego, não faz mal a ninguém.

    Desculpa se fui muito "intolerante". Obrigado pela passagem no D'além Mar.

    Beijo,
    Gustavo

    ResponderExcluir