sexta-feira, 30 de julho de 2010

Santa bagunça!


Como é dificil arrumar um quarto.
Gente! Parece que tenho que receber uma entidade para que eu possa tomar coragem e enfrentar o monstro do guarda-roupa. Tanta roupa para passar e organizar.
Sem contar que tem algumas peças que quero doar..
O pior é que eu sei a fórmula para me concentrar na 'arrumação' do quarto como por exemplo, música!
Ouvir música enquanto arruma-se um quarto é fundamental, principalmente se for axé, forró ou um calypso.
Eu me empolgo e fica tudo "um brinco" (como diria minha avó)!
Outra coisa importante é ter paciência, ainda mais quando você tem que passar roupa, e não ter pressa para terminar e nada para fazer depois..
Eu gosto de arrumar meu quarto, mas ultimamente a preguiça e o desânimo tem tomado conta de mim.
Acho que são tantas mudanças na minha vida que na maior parte do tempo dá vontade de desistir..
Muitas pessoas não sabem disso, mas basta olhar para a situação do meu quarto para saber como está meu estado de espírito. Ele atua como um espelho e esses dias tem estado uma bagunça sem fim.
Pelo menos quando eu resolvo arruma-lo, parece que minha cabeça também volta ao normal.
Ufa! Eu sou muito complicada.. credo!
Enfim, vou arrumar meu quarto, mas hoje não.
Quem sabe amanhã.
Sabadão é o DIA de Maria.
^^

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Meus felinos..


Então.
Para quem não sabe, sou avó!
Minha gata é mamãe e tem dois gatinhos: um todo branquinho (macho) e outro preto (fêmea).
Lindos! Fofinhos e rebeldes! rsrs
Estou em uma encruzilhada, pois eles completaram 1 mês de vida e chegou a hora de desmamar e acostuma-los longe um do outro. É triste, mas não posso me dar o luxo de cuidar desse tanto de bicho!
Curiosa como sou, perguntei ao 'deus' Google e ele me mostrou o caminho.
Encontrei um site bem bacana que dá dicas de como proceder nessa etapa da vida dos meus felinos.
Eis as dicas:

Desmamar:


"Até o primeiro mês de vida, o leite materno é insubstituível, por isso os filhotes devem ficar junto à mãe. Após esta fase, pode-se começar o desmame. Além do materno, ofereça-lhe outro tipo de leite: 1 xícara (chá) de água filtrada, 2 colheres (sopa) de leite em pó, 1 gema de ovo, 1 pitada de sal e 1 colher (café) de óleo de milho, batido no liqüidificador.

Após 15 dias, dê uma sopa de legumes com carne. Esta alimentação deve ser dada 4 vezes ao dia até eles aceitarem a dos cães adultos."

Separação:

"A separação dos filhotes pode ser traumática para certas gatas. Assim, ela jamais deve ser brusca. Na época da amamentação, os filhotes devem ficar juntos da mãe. Passado este período, ou seja, 50 dias, acostume-os a ficar longe dela, mantendo-os afastados algumas horas por dia. Por volta de 8 semanas, os gatinhos já estarão se tornando independentes. Talvez este seja o momento ideal para separá-los. No entanto, não tire todos de uma vez para ela não sofrer muito."

Dessas dicas, eu já imaginava que seria assim com relação o tempo deles ficarem com a mãe, só que essa mistura aí para substituir o leite, eu não vou fazer não...
Sempre ressucitei os gatinhos que pegava na rua só com a mistura de leite de gado, água e sal. Pronto! Engordavam que era uma beleza!
Aliás, com a mãe deles foi assim e está ai 'vivinha'.. rsrs
É isso.


Fonte: http://familiapet.uol.com.br/gatos/

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Manual da Mulher Resolvida



1) Se ele se interessou, ele liga!!!É isso mesmo, quando o cara quer,não há projeto importante ou morte da tia que impeça-o de convidá-la pra sair.

2) Passou uma semana sem ouvir notícias dele? Esquece, parte para outra!Ligar para saber se tá tudo bem, nem pensar!

3) Vocês saíram e ele não ligou mais. Foi porque você deu? Ou foi porque você não deu? Na verdade, pouco importa...!!

4) Homens Comprometidos - diga não, não importa como esteja a relação dele!

5) Ouviu aquela clássica: "você é demais pra mim..." Acredite, amiga! É mesmo!

6) Não tente!!... Sem admiração não dá...

7) Traição - Não continue com um cara que chifrou-a, se não agüentar a onda de ser traída de novo. E olho vivo se ele já foi infiel com outras.

p.s: o difícil é seguir à risca.. 

Fonte: Comunidade Orkut

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Julho


Desde o dia 13 de julho estou em Araguaína tentando terminar meu projeto de Mestrado.
Nossa! Como é difícil! Já li tanta coisa e quero fazer TUDO.
Mas tenho que colocar as idéias no lugar e propor o que eu realmente tenho que fazer. Era para ter enviado esse projeto no começo do mês, mas não dei conta não.. Muita coisa para estudar e tenho que manter o foco. O problema é encontrar o tal do FOCO. Help-me please..
Estou aguardando a resposta da Universidade do Minho para saber o rumo do meu projeto de Mestrado. Pelo visto vou ter que fazer dois projetos, pois a resposta só sai depois do dia 20 de julhoooooo.. Que agunia!
Mas enfim, manter o foco e procurar uma metodologia que se encaixe na minha proposta!
Inté.

Diário de Campo - 22 de Maio de 2010


-->
Diário de Campo
Natividade, 22 de maio de 2010.
Meu dia de pesquisa começou as 6h50 com um carro de som anunciando uma promoção de uma das casas agropecuárias da cidade. E alto! Esse é o problema de ficar hospedada no centro. E o prêmio maior é um arreio completo! Bom, para mim só falta o cavalo...
Estou com dores no pescoço, deve ser por causa da mochila, além das extensas caminhadas que faço pela cidade.
As mulheres da comunidade organizavam a Matriz para a saída da Esmola Geral. Tudo ficou enfeitado de vermelho. As bandeiras chegam a todo o momento e já estão são abençoadas. Há um grande movimento próximo a Matriz e são as mulheres (geralmente, idosas) que cuidam da ornamentação da igreja.
Ao chegarem na Matriz, as 21 bandeiras são nomeadas como forma de organização. E, no inicio benzem a Bandeira da Misericórdia e após são lido os nomes das duplas que levarão as bandeiras durante a Esmola, sendo que o portador da bandeira não pode tocar no donativo.
O Padre Pedro orientou-os que abençoassem todas as pessoas que encontrassem e caso elas não quisessem, a benção voltaria para quem a ofereceu. “Difundi em nós o Espírito Santo, pois a bandeira é nosso sinal para assegurar a santidade e a nossa fé”.
As pessoas estavam emocionadas durante a Esmola Geral, pagando promessas e muitas estavam vestidas com a cor vermelha em homenagem ao Divino. A solenidade é longa e cansativa, porém as pessoas não saem do local e acompanham todo o trajeto.
A bandeira da Misericórdia foi doada por um casal, tudo indica que seria uma promessa.
O encontro das bandeiras neste ano aconteceu no Centro de Convenções.
A noite, durante a Missa do Capitão do Mastro as pessoas sentam-se ao redor da igreja, nas calçadas das casas vizinhas, pois a igreja estava lotada, e escutam a missa que é transmitida pelos altos falantes da torre. A presença de famílias é constante e grande.
A maior parte das pessoas que estavam do lado de fora não prestavam atenção na missa, pois elas conversam, brincam e ficam esperando a hora profana da festa. Tudo indica que a parte profana chama mais atenção até porque esse será o momento que poderão observar e provar a força e fé do Capitão do Mastro.
Os jovens não participam diretamente, mas sabem da importância da festa e só o fato de estarem presentes nesse ambiente (mesmo que fora) está absorvendo a tradição, sem contar com a influência da família nesse processo.
Outra observação é que a maior parte das mulheres está dentro da igreja e seus respectivos maridos ficam do lado de fora esperando o momento de buscar o mastro. Conversando, claro.
Durante a missa, o Padre Pedro diz que a festa do Divino é a forma de celebrar a festa da vida na carne e que no reinado do espírito santo ninguém passa fome, nem sede e nem pode ficar triste, daí que se justifica toda a festa. E que além de toda a festa, os devotos devem crer no amor que é gerado pelo pai e filho através do espírito santo para unir o povo e falarem só uma língua.
O papel do Capitão na festa é chamar a atenção da comunidade para a importância da festa com seu mastro.  Durante a fala do Capitão do Mastro ele informou que o valor gasto em sua festa girou em torno dos 35 mil reais e ele gastou “do seu bolso” só 10% desse valor.
No final da missa, até então não havia nenhum candidato para ser imperador ou capitão do mastro para a festa de 2011 e o Padre Pedro se comprometeu em realizar a festa como imperador, caso não houvesse nenhum candidato.
Após a missa toda a comunidade presente sai em busca do mastro na casa do capitão. O capitão e arainha do mastro sobem em cima do mastro que por horas se parece com um barco. Os homens levantam o mastro e fazem movimentos rápidos de sobe e desce para testar a força dos dois. Em determinado momento, a rainha resolve descer e o fardo fica com o capitão.
Os catireiros e as dançarinas de suscia abrem o caminho dançando (até com garrafas na cabeça) e cantando o que atraem grande parte das pessoas. Luminarias seguradas pela comunidade, produzidas com cera de abelha, iluminam o caminho que será percorrido pelo mastro até a Matriz.
Cânticos são entoados enquanto todos seguem o mastro com o capitão em cima. A alegria é notória nesse momento da festa com risos, gargalhadas e música.
Ao chegarem em frente a Matriz, a suscia e a catira tomam conta do local e todos ficam ao redor, sendo que alguns dançam no meio da roda. Logo após esse evento, todos retornam para a casa do capitão do mastro onde a festa será oferecida para a comunidade, ou seja, comida e bebida não alcoólica.
Assim que todos se encontram no local, o capitão agradece pela presença de todos e oferece simbolicamente a mesa cheia de comida e bebidas (licores) para os presentes. Uma mesa muito enfeitada e cheia de adornos e guloseimas é desfeita em segundos. Porém, o papel do capitão foi cumprido.
Ao redor, vários ambulantes aproveitam a oportunidade para vender cerveja e espetinhos de carne. O forró começa e todos vão dançar, além de enfrentar uma fila organizada para pegar bolos, biscoitos, refrigerante e paçocas.
Eu voltei para a Casa de Cultura da UFT. Cansada, pois logo cedo (domingo) já era a missa e festa do Imperador.

Algumas fotos da Esmola Geral e da Festa do Capitão do Mastro:

Procissão da Esmola Geral



Missa e Festa do Capitão do Mastro (fotos de Emerson Silva - Fundação Cultural do Estado do Tocantins)




Diário de Campo - 23 de Maio de 2010

Diário de Campo
Natividade, 23 de maio de 2010.
Dia da coroação do Imperador.
As pessoas presentes na igreja Matriz usam roupas mais sociais para o evento. Cheguei mais cedo na casa do Imperador, pois segundo a tradição do local, ele é coroado em sua casa. Em torno do lugar, mais ambulantes (acredito que os mesmo da noite anterior, mas dessa vez tinha até água de coco) em torno da festa, além de ambulantes e barzinhos abertos.
Enquanto a igreja recebia os últimos preparativos como os pãezinhos da sorte do Imperador, o Governador do Estado, Carlos Henrique Gaguim, e uma leva de políticos chegam na festa. Até a banda da cidade se prepara para tocar para o Governador na hora da sua chegada, mas também estava ali para o cortejo do Imperador. O que fez com que as atividades da festa atrasassem em uma hora.
Poucos devotos estavam trajados de vermelhos e muitas pessoas das cidades do interior chegavam para a festa.
O Imperador não foi coroado em sua casa, pois o Padre assim não o quis, o que aconteceu na hora em que o Imperador chegou na Igreja Matriz.
Após a organização inicia-se o cortejo ao Imperador e sua família onde a população segue atrás com cânticos. A sequência no cortejo inicia com a bandeira da misericórdia (a mesma da Esmola Geral), logo depois os Alferes das três folias desse ano, jovens representando os sete dons do espírito santo, crianças vestidas de anjinhos, o porta-almofada com a bíblia, dentro de um cercado vem o Imperador com sua família e amigos, além do capitão do mastro e a rainha, logo atrás os ex-imperadores e capitães, seguidos pela banda municipal e a população.
No final do cortejo a bandeira da Misericórdia saúda o Imperador e sua família na porta da igreja Matriz e o Padre foi recebê-los onde realizou a coroação do Imperador, havendo ai uma quebra na tradição dessa festa na cidade.
Após a coroação, iniciou-se a missa solene e logo após seria realizada o sorteio do Imperador e Capitão para a festa de 2011. A igreja está lotada e a banda ficou no coreto e o restante da população que acompanha a solenidade fica em frente a Igreja e ao redor principalmente, debaixo das sombras das arvores.
O mastro ficou em frente a Igreja a noite toda e não houve nem vandalismo. Segundo a policia militar estavam presentes mais de 1.300 pessoas durante a missa solene. No final da missa apaga-se o círio que simboliza o Cristo presente entre o povo e que só volta a ser utilizado nas cerimônias de batismo. Na sequencia, o Imperador convida todos para participar da festa e agradeceu pela ajuda das cozinheiras, boleiras, cortadores de lenha, preparadores de paçoca, ornamentadores, cantores da missa e das festas.
Silêncio na igreja. Faz-se a leitura da sorte para a escolha do Imperador e Capitão da Sorte que no domingo ofereceram seus nomes, acontecendo assim, um ‘sorteio simbólico’. Para capitão foram dois nomes e para Imperador só um nome. São eles os sorteados para Imperador e Capitão respectivamente, Luciano Pereira Pinto e Tiquim (ex-prefeito). Como foi um ‘sorteio simbólico’ o Padre disse que no próximo ano haveria sorteio mesmo e não indicação de nomes como aconteceu e acontecia nos anos anteriores.
O outro nome para capitão que não foi sorteado ficou como mordomo da festa do divino e teria que contribuir com R$20,00 para a Igreja. Nas ruas, as pessoas comentavam os nomes dos festeiros de 2011.
Detalhe, o Imperador desse ano é o atual Procurador da Sorte há três anos e como em 2010 ele foi Imperador do Divino, quem leu a sorte foi o senhor Quincas Rodrigues há mais de 22 anos.

Algumas fotos da Festa do Imperador, essas são do fotografo Emerson Silva da Fundação Cultural do Estado do Tocantins. Tenho várias no meu celular, mas tudo indica que consegui perder o cabo de transferência de dados. ¬¬'

E quando volto em Araguaína...

-->
Sempre que posso retorno para Araguaína, mas só para visitar meus pais. Na maior parte das vezes não saio de casa e no máximo vou ao salão da Dadá (arrumar as madeixas) e na casa dos meus tios.
Não é que não goste daqui, apenas não me identifico mais com a cidade. Não tenho mais contato com os velhos amigos da infância e nossas “amizades eternas”. Tudo muda. Aliás, converso mais com esses velhos amigos por MSN do que quando venho em Araguaína.
Resumindo...
Fico OFF por questão de querer mesmo..
Acredito que isso aconteceu devido um episódio que me deixou muito decepcionada no final do meu Ensino Médio com meu grupo de 7 amigas! As inseparáveis...  Enfim, foi dolorido escutar o que eu escutei...
Bom, mas a cidade não tem nada a ver com isso e claro que tenho boas recordações dela, sendo que a primeira é que foi o lugar onde encontrei meu primeiro emprego como Jornalista!
Mas o que me marca quando percorro as ruas da famosa Capital do Boi Gordo são as lembranças da minha infância e adolescência.  Como por exemplo, a Avenida Santa Cruz onde fica até hoje o Colégio Educandário Objetivo, local que estudei da 5ª serie do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. Sem contar com minha iniciação no vôlei lá no Sesi! Tempo bom... Ficávamos debaixo dos pés de bambu conversando e esperando começar nosso treino! Tudo molequinha! E ainda tinha o bendito desfile de 7 de setembro que eu e meus irmãos desfilávamos pelo Sesi, claro que isso foi no tempo que o desfile era na Cônego João Lima. Ohhh sol quente!
Outra lembrança muito boa era os treinos do meu time de vôlei, agora pelo Objetivo, às 14h, no Ginásio da Neblina! Isso eu já era adolescente e íamos a pé. Para quem conhece Araguaína, meus pais moram no Bairro Eldorado e o Ginásio era no Bairro Neblina! Atravessávamos a cidade! Sério...
Nossa! E como esquecer os treinos no Tiro de Guerra! Era canseira... Correr, fazer exercício para melhorar o reflexo e agilidade, além de levar ‘porrada’ de bola era essencial!
Pelo menos, com esse esforço todo fomos campeãs regionais nos Jogos Estaduais Estudantis – JET’s e terceiro lugar na fase estadual em 2001! Bons tempos! Ahhh.. Sem contar os Jogos das Crianças do Sesi que o Objetivo arrasava sempre! \0/
Sim, meu povo... Eu era da galera do esporte na minha época de escola!
E quando não tinha jogo no fim de semana, jogávamos na frente de casa! E era point! \o/
Um fato engraçado que tenho que contar sobre o fim da época de ouro foi quando da realização dos Jogos Interclasses do Objetivo, eu fui artilheira do campeonato, e ganhamos em cima do time da turma da minha irmã (rsrsrs). Ela ficou sem conversar comigo o percurso todinho da escola até em casa, pois estava ‘p’ da vida! E eu, feliz querendo comentar os lances do jogo. (Rsrsrs)
Que saudade! Que tempo bom...
Ahhh, mas também não posso me esquecer do local do primeiro beijo com meu primeiro namoradinho... Na pracinha da Vila Aliança! Sem contar com as voltas da escola! Era tão divertido! E uma bagunça...  Sempre chorava de rir nessas voltas da escola porque uma galera morava na mesma região...
Disso que sinto falta em Araguaína e isso que busco quando venho nessa cidade.
Buscar realmente quem sou e como me tornei quem sou hoje. Isso que importa. Essas lembranças que me fortalecem e me mostram de onde eu vim, o que eu vivi e como surgiram meus sonhos...
E foi bem aqui! Em Araguaína e no Bairro Eldorado, jogando vôlei e rindo da vida!

25 anos!

-->
25 anos...
Só sei que nessa idade minha mãe já tinha todos seus filhos e era casada. 
Minha avó materna nem se conta, casou com 18 anos e teve 11 filhos...
Eu, pelos meus planos, quero casar com 28 anos de idade e ter 4 filhos! Dá tempo ainda! Eu acho.. rssrsrs
Não quero ficar para ‘titia’, e olha que já começou a corrida contra o tempo porque minha prima já teve bebê! Eita!
Mas deixa que o curso da vida se encarregue disso tudo... Não vou me preocupar, apenas esperar!
Segundo o IBGE não faço parte da galera “jovem” que tem faixa etária dos 18 aos 24 anos de idade. Agora, estou na fase adulta. Que medo!
Bom, de qualquer forma já posso usar Renew... rsrsrsrs
Esse ¼ de século me deixou um pouco confusa e principalmente apreensiva, pois agora minhas decisões devem ser tomadas com seriedade, até porque elas vão interferir diretamente no resto da minha vida, não que as decisões anteriores não tenham afetado, mas de agora em diante... Sabe como é, né?
Estou mais perto dos 30! Vixi..
Com o passar do tempo, aliás, desses 25 anos, começo a me descobrir tanto em qualidades quanto em defeitos. Mas não quero falar das qualidades, pois não sei até que ponto elas colaboram ou escondem os meus defeitos..
Se dividir minha vida em ‘categorias’ como amor, trabalho, amigos e família, acredito que consigo me definir aos 25 anos, não que isso não possa mudar daqui alguns anos.
Não vou falar de qualidades!
A Poliana na categoria AMOR...
Com relação aos defeitos um dos principais é o orgulho. Putzz, como sou orgulhosa e não gosto de baixar a guarda, principalmente quando sei que o que está acontecendo pode me machucar (muito). Passei por experiências que fizeram com que eu prometesse que JAMAIS aconteceria da forma que aconteceu...
Pareço ser forte, mas sou fraca. Tento ser forte para não me machucar mais..Se é que me entende, pois feridas ainda estão abertas e a cicatrização vai demorar porque algumas delas são antigas e outras novíssimas.
Confiança. Está aí uma palavra que não faz parte do meu vocabulário para essa categoria. Não consigo confiar em mais ninguém e isso é sério... Meus votos de confiança foram por água abaixo inúmera vezes, por isso resolvi não confiar e nem esperar nada de extraordinário de ninguém...
E se alguém me surpreender?
Não sei. Fujo. Como vem acontecendo ultimamente, onde a solidão é a minha melhor companhia e conselheira.
Claro que isso não quer dizer que não tenho coração! Encanto-me com as pessoas e não passa disso! Gostaria de poder me entregar mais, mas o coraçãozinho não deixa, pois me envolvo facilmente e cedo demais... Então, o melhor é ficar quietinha e sem muitas emoções fortes.
Isso é algo que temos que mudar para os próximos 5 anos. Até porque não quero ficar sozinha. Não nasci para isso...
A Poliana na categoria TRABALHO...
Continuo não falando das qualidades, pois isso só pode ser feito pelos outros. Encontrar qualidades em si mesmo é meio que uma faceta, onde você projetará algo que gostaria de ser e pode ter certeza que não é isso...
Quem pode falar de suas qualidades são os outros, pois eles que vêem suas ações e atitudes perante a vida.
Enfim, meu defeito na categoria trabalho é querer fazer tudo sozinha e não ter paciência para enrolação. ODEIO ter que cobrar as pessoas por qualidade e empenho em seu trabalho. Quando vejo corpo mole, não vou chamar atenção, apenas pego o ‘serviço’ e faço sozinha... ODEIO algo mal feito e sem dedicação. Como diz minha avó “Você é muito Caxias, minha filha”. Admito!
E isso, não quero mudar não... Só assim posso fazer sempre o melhor.
A Poliana na categoria AMIGOS...
Sou ciumenta ao extremo e entrego minha vida nas mãos dos meus amigos. Acho que esse é um defeito grave. Eu me preocupo demais, cuido demais e já chorei muito por ver algumas coisas que meus amigos fizeram (não sei se foi por maldade ou descuido) contra mim e até mesmo contra eles...
Trato meus amigos como irmãos e às vezes tenho que usar táticas brutas para mostrar-lhes a verdade. Acredito que brutas até demais, com tom de voz grosseiro, mas que são necessários...
Tenho que mudar isso... Mas não sei se consigo.
A Poliana na categoria FAMILIA...
Meu defeito na categoria família é querer ficar longe... Meio que me acostumando com a falta deles na minha vida. Porém, esse defeito grave é o que mais me fere nessa vida...
Desse tempo todo, posso dizer que tentei nesses anos não ser a bobinha que era até um certo tempo atrás e passei a cuidar do que EU quero e viver os meus sonhos. Abdiquei de viver um amor, seja com quem for, por cuidar de mim, mas isso não complementa minha vida. É óbvio que sinto falta de companhia e de ser amada de verdade... É o mal da vida de toda pessoa e eu não sou diferente!
Cansei de esperar atitudes e oportunidades, por isso que na maior parte das vezes, eu que vou atrás dos meus desejos e sonhos...
Não sei até quando terei esse pensamento e nem sei se quero pensar nisso...
25 anos...
E o fundamental é viver a minha essência!
E só!

O que acontece?


Eu sinceramente estou assustada com as atrocidades que estão acontecendo em nosso país, e olha que são apenas as noticiadas. Caso do goleiro Bruno, da advogada, da mulher que teve que se fingir de morta para não ser mais espancada. Que mundo é esse?
E em todos os casos mais graves (ou não), as mulheres que estão sofrendo todas as conseqüências. O que acontece com a mente masculina que não admite mais nada e a intolerância reina?
Não querer assumir responsabilidades quanto pai de uma criança tornou-se motivo para esquartejar uma mulher? Terminar um relacionamento também é motivo para assassinar a namorada? Ciúmes para espancar a mulher?
O que me dá mais revolta é o medo que muitas mulheres ainda tem em denunciar esses animais. E não posso esconder, é MEDO mesmo. E aconteceu comigo. Não foi nenhum namorado ou coisa do gênero. Eu simplesmente levei uns socos de graça de um cara que estava com ciúmes da namorada dele com o rapaz que eu estava.. Agora me diz, o que eu tinha com isso? NADA.
Esse infeliz simplesmente veio batendo em mim e no meu ‘amigo’. Não fui para a delegacia, o medo mexeu comigo muito mais... Descobri que o ‘marginal’ é traficante e como Palmas é um ovo, não quero ser marcada e morta em qualquer canto desses...
Minha vida é mais que tudo isso.
Outro caso foi de uma colega nossa que o ‘namorido’ bateu nela por ciúmes. Nesse caso, ela conversava com uma amiga pelo celular. Só por causa disso, ele a ameaçou que se fosse preso, ele sairia e mataria ela...
Eu não queria contar nada disso aqui, mas me revolta...
Gente que raiva que dá!
Que ódio da impunidade e poder que os homens acham que tem...
Essa revolta toda é por causa de que mesmo? Seria medo da parte deles também?
Só a Chris Montenegro para me responder isso, pois ela estuda a masculinidade.
Dói-me tanto a alma e o corpo quando vejo uma barbárie dessas na TV, e me dói ainda mais saber que inúmeras mulheres passam por isso e não podem/conseguem denunciar..
Eu fui covarde também. Assumo.
Mas revolto-me com toda essa situação em que somos obrigadas esquecer e ‘colocar panos quentes’ para continuar vivendo...
Tenho medo...
Muito medo...

Informe-se!

Ligue 180
Lei da Violência Contra a Mulher
Observatório Lei Maria da Penha

:(

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Estão todos bem



Vi um futuro próximo ao assistir esse filme, mas não pela história dos personagens onde o cara fica viúvo, uma filha está divorciada, a outra com um bebê e é lesbica, outro irmão fazendo outra coisa do que alegava fazer e o caçula envolvido com drogas. Por Deus, não é isso!
A lição que dá para tirar desse filme é de que eu e meus irmãos estamos buscando nossos caminhos e cada um em uma area diferente, cada qual para seu lado. Eu, jornalista e pesquisadora, minha irmã enfermeira e agora estudante de medicina, e meu irmão estudante de farmácia, mas que quer ser engenheiro ambiental.. rsrsrs
Somos indecisos!
Se bem que nem tanto, pois enquanto não conseguimos o que queremos vamos vivendo a vida  e assim que surgir qualquer oportunidade, mesmo que remota, vamos em frente e tentamos! Não nos acomodamos, isso é fato!
No filme, apesar de cada um está em um canto, vivem sua vida da melhor maneira e enfrentando os problemas que possam surgir durante seu curso. E os meus pais? Só podem fazer o que o viúvo fez, orgulhar-se, aconselhar-nos e ajudar-nos da melhor forma possível...
Um detalhe interessante no filme é que o pai sempre que revê os filhos, os vêem quando crianças, e para mim não é diferente quando me reencontro com os meus. Parece que fico tão frágil e carente perto deles que me vejo como criança. Confesso que no final do filme queria ir correndo para casa e ficar lá com eles! Até porque a casa dos nossos pais sempre é nossa casa.

Olha pro céu meu amor...



Olha pro céu meu amor...

Que São João foi esse? Perfeito!
Nunca pude imaginar quanto seria bom, e foi! Passei essa festa com minhas primas do Tocantins e Bahia, sem contar com a Helena (portuguesa) que amou tudo. Macaúbas é uma cidade pequena do interior da Bahia que nessa época “triplica” de gente. E como funciona o São João por lá?
Além da programação noturna oferecida pela prefeitura com apoio do Ministério da Cultura, o pessoal encontra os “cordões” onde a bebida e churrasco são liberados com shows de forró de bandas locais e da região, pelo preço que varia de R$ 25,00 a R$ 40,00. Alguns cordões chegam a ter mil pessoas.
Nesse ano os artistas de renome nacional que a prefeitura levou foram Bruno e Marrone e Elba Ramalho. Ótimos e gratuitos! Cantei muito durante os dois shows! \o/
Outro atrativo é o bloco. Isso mesmo! Bloco estilo de carnaval com trio e tudo mais. Só o que toca é forró e um pouco de axé. Eu, sinceramente, acredito que essa atração não tem NADA a ver com o são João. Nesse eu não paguei para ir, pois custou R$ 70,00 e nada de open bar. Ganhei uma camiseta no último dia e passei por lá, mas não me empolguei.
O que mais gostei em Macaubas foram as pessoas que estão lá para simplesmente se divertirem. Engraçado que não vi nenhuma briga. Revi parentes e amigos que fiz no carnaval de Salvador em 2008. E óbvio, amei os cordões! Muita gente bonita! Aff.. \o/
Agora, só um recadinho para as meninas que forem à Bahia. Cuidado com os baianos e seus encantos, pois eles são criaturas fáceis de se apaixonar. Quanto a isso, eu já estou despreocupada, pois já me vacinei desse mal. Rsrsrs
Ah! Tem duas coisas que não gostei em Macaubas: o atendimento (pior que o de Palmas) e em todas as lanchonetes só vendem coxinha! Meu Deus! Abusei de coxinha e vou passar uns 3 meses sem querer ver uma dessas na minha frente! E podem acreditar, eu amava coxinha. :P
Outro detalhe, como estamos na Copa assisti dois jogos do Brasil por lá. Eles não comemoram a vitória depois do jogo. Isso foi frustrante, pois em Palmas a festa é garantida.
Acredito que a maior dificuldade será a volta para casa porque a cidade está lotada e colocaram ônibus extra para Barreiras e Salvador para as pessoas chegarem. Resta saber se terão na volta.
Recomendo Macaubas pela energia boa que a cidade, as pessoas e as festas podem lhe proporcionar... Alegria garantida, isso eu garanto!
Ahh! E preparem as pernas! É ladeira que não acaba mais...

E quando vou para o interior da Bahia..

-->
01/07/2010
E quando vou para a Bahia...
Gosto mais de morar no Tocantins, pois temos acesso e locomoção bem mais tranqüilo para entrar  e sair de qualquer cidade, seja pelo norte, sul, leste e oeste. Claro que não me refiro às cidades maiores e que ficam na rodovia que cortam o Estado da Bahia de leste a oeste, mas o principal gargalo é o interior.
Gente, demorei 3 dias para conseguir voltar para o Tocantins.
Minha previsão era de chegar na terça-feira (29 de junho) em Palmas, mas consegui chegar só na quinta! Sai em junho e cheguei em julho.. rsrsrs Na segunda, os ônibus estavam lotados, na terça eles nem entraram em Macaubas e detalhe, todos saem de noite. Eu e minhas primas conseguimos sair na madrugada de quarta! Passamos o dia em Barreiras, pernoitamos  e finalmente, às 6h da matina, saímos em direção à Capital tocantinense, minha querida Palmas.
E claro, toda essa odisséia foi regada por café, coxinha e frio! O que me fez jurar no meio da madrugada em voltar no próximo ano só de for de carro!
Depois dessa aventura em busca de uma vaga em qualquer ônibus, lembrei-me de quando íamos para a Bahia com toda a família passar o São João em Ibipitanga (pertinho de Macaúbas). Geralmente em dois carros com os primos, tios, avós e bisavó e tudo isso, para nos repassar essa tradição junina já que no Tocantins não temos essa manifestação tão arraigada, a não ser nas escolas e tal.
Enfim, viajávamos com o “frito”, travesseiros, roupas de frio e claro, muita paciência pois as estradas eram de terra e na década de 90, asfalto era luxo, coisa de Salvador. Era tudo muito divertido e um episódio que me recordo bem, foi quando em algum lugar da Bahia, hora de almoço, a molecada toda faminta (primos com idade entre 7 a 10 anos) e sinal de cidade, paramos no rio das ondas e almoçamos o frango frito com farofa que minha bisavó Onorina “Mainha” tinha levado e claro, menino que é menino, toma banho no rio.
Nossa! Como foi divertido!
Demorei uns 15 anos para voltar ao interior da Bahia e dá uma saudade daquele tempo, onde roubar bandeirola e soltar estalinhos nos primos era uma grande aventura!
Bons tempos...
Boas lembranças...
E uma grande saudade de quem não está entre nós, mas que deixou um grande ensinamento de que nunca devemos esquecer nossas raízes e sempre temos que voltar para nossa terrinha e reviver nossa história, cultura, mesmo que seja uma aventura e demore alguns dias...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Chorei mesmo..


Pois é Brasil!
Acabou o sonho do hexa nessa Copa!
Eu acreditei. Acreditei muito mesmo, mas parece que nem os jogadores acreditaram muito não é?
Enfim, chorei com o Julio César... Aff Maria, chega doeu o coração.
Na hora do segundo gol fui para o quarto chorar.. sou mole!
Agora tudo volta ao normal e eu recomeço meus estudos! Quer dizer, prossigo.
Ehh Seleção! Mas valeu.. Foi só um jogo, como disse o Galvão Bueno.
Enfim! Que em 2014 possamos nos orgulhar das nossas 5 estrelinhas para que elas tragam mais 1 para podermos colocar no peito e dizer: Aqui é Brasil, porraaaaa!
É isso!

p.s: desculpa o palavrão.. rsrs