terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

E depois do Intercâmbio..

Comentários sobre meus 5 kg depois do intercâmbio: "tá massa, você era magrinha demais", "no carnaval tu perde isso", "pernão hein, fia..", "gorda nada, homem gosta de ter onde apertar!"... O último foi minha irmã...

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

E aqui...


Hoje completa uma semana que saí de Portugal e percebo a importância que essa minha temporada lá teve em minha vida.
Sinto falta das pessoas, porém não sinto falta do lugar.
Parece que tudo foi um sonho que poderia ter vivido, mas o quê é melhor é que eu vivi aquilo e foi tudo muito bom.
As pessoas, os sabores, os cheiros, os lugares e os sentimentos ficarão gravados em minha memória. Agora caiu a ficha de que voltei para casa.
As fotos parecem ilustrar outra vida. Outro ano...
Não foi um final de 2010 e nem o inicio de um 2011...
Foi diferente, parecido como um universo paralelo.
Sim, eu vivi em um universo paralelo chamado de ‘intercâmbio’.
Aprendi e cresci, profissionalmente e pessoalmente, muito mesmo. E não vou esquecer a sensação de acordar no meu quarto, na minha casa e sentir o cheiro do meu lugar! Foi inexplicável... Algo parecido com uma sensação de alivio e conforto. Foi perfeito.
É bom conhecer outros lugares, culturas e pessoas. Mas o melhor de tudo é está no seu lugar e saber que aqui é onde você quer está sempre e sempre. =D

Coisas que aprendi do lado de lá...


  • Não importa o que eu penso
  • As pessoas não se importam muito umas com as outras
  • Não adianta querer mudar ninguém
  • Relevar, essa é a palavra chave.
  • Tolerar, essa é a palavra essencial.
  • Tenho que rezar mais, pois me deixa mais calma.
  • Aliás, aprendi esperar mais as coisas acontecerem.
  • Tudo acontece no momento certo e o melhor de tudo é que Deus mostra na hora exata (o certo e o errado) para sua vida.
  • Marrom é uma cor que fica bacana em mim.
  • Gosto de arroz, feijão, bife de vaca, alface, tomate e suco de laranja!
  • Não posso comer couve.
  • Não posso comer doces em grandes quantidades, pois engordam que é uma beleza.
  • Tenho raízes mais profundas do que imaginava no Brasil.
  • Eu sou quase branca e o inverno me provou isso.
  • Eu amo o calor.
  • Eu amo o calor.
  • Eu amo o calor (não é erro de digitação, é declaração de amor mesmo).
  • Algumas coisas funcionam melhor nos países em que estive e tenho certeza que poderiam funcionar no Brasil também
  • E eu não troco meu país, meu Estado e minha cidade por nenhuma da Europa.
  • Amo demais ser brasileira e viver aqui!

Chega ao fim...

Putzz! Acabou!
Fiz o tão sonhado (e esquecido por um tempo) intercâmbio estudantil. Tudo bem que tive que esperar chegar ao mestrado para isso, mas valeu a pena ê ê..
Sinto que cresci como pessoa, principalmente, como SER humano.
Aprendi a valorizar (ainda mais) minha família e meus amigos. E sei, com toda convicção quem e quantos são, e claro, os que se importam. A distância é boa para essas coisas, tenta para você ver!
Tinha tanta coisa para dizer, fofocar, melhor dizendo, comentar e que acabaram por passar despercebidos no decorrer dos dias. Posso confessar que adorei a universidade, meus professores, as baladas com os amigos brasileiros, treinar meu espanhol e inglês, conhecer gente do mundo todo, conhecer Barcelona e Paris (meu sonho!) e claro, desenvolver minha pesquisa.
Foi difícil me adaptar. Confesso mais uma vez que não gostei de Braga, não gostei dos portugueses (desculpa, mas a opinião é minha), não gostei de alguns colegas de turma, não gostei da comida portuguesa (tirando o pastel de Belém e a francesinha), não gostei da residência estudantil, não gostei do frio e não gostei de ficar longe de casa.
Não digo pelo fato de que estive longe dos meus pais, até porque moro sozinha desde os 17 anos de idade em Palmas, mas é claro, que não dá para eu atravessar o Atlântico em 6 horas e ir jantar na casa deles, em Araguaína, quando me der na telha.
Senti falta da minha vida. Da minha rotina, das minhas obrigações profissionais, da missa na Casa de Maria, da minha disposição de ir à Avenida JK aos sábados só “bater perna’, da minha preguiça de ir ao mercado, de conversar da vida com minha cabeleireira, de reclamar do sol e do calor de Palmas, de correr na Praça dos Girassóis e até de ficar deitada no sofá da minha casa assistindo Faustão e reclamar que “não passa nada que presta nessa televisão..”
Isso tudo fez falta porque era a minha vida.
Vir para Portugal mexeu tanto comigo que nunca pensei que tivesse raízes tão profundas com minha terra e a saudade que eu senti no decorrer desse tempo foi mais do que esperar os dias passarem, serviu sim, para que eu tivesse a certeza que quando retornasse veria o mundo com outros olhos. E hoje, vejo.
Não serei a Madre Tereza de Calcutá porque vivi em uma cultura diferente e tive que tolerar costumes diferentes, e não só portugueses, mas convivi com brasileiros de outras regiões, romenos, africanos, italianos, indonésios, espanhóis e chineses. Não serei a mocinha do “tudo bem”. Depois de viver isso aqui, posso dizer realmente o que gosto, tolero, suporto e aceito assim como vice-versa.
Continuo sendo a Poliana que odeia atraso, falta de compromisso com trabalho, infidelidade, grosserias, deslealdade, mentiras, jogo de interesses, lugares sujos, que mexam nos meus livros, que magoem ‘meu povo’, que é ciumenta, que sente a dor alheia, que dá conselho... Se bem que essa última parte foi modificada para “dar conselho para quem pedir”.
E uma das coisas que eu aprendi e vou levar para o resto da minha vida é que ‘o que eu penso não importa’. E pronto! Independente de que eu goste ou não da atitude de alguém, do comportamento perante a vida, ninguém vai mudar ou fazer o que eu considero ‘moralmente correto’ só porque eu acho que deveria ser assim...
Demorei aprender, não é mesmo? Mas é a vida. Tem gente que acha que até hoje tem 15 anos! Rsrsrs
Retornei para meu mundo nessa semana.
Queria chegar tranquilamente como se nunca tivesse saído.  E cheguei! Porém, chego como se tivesse vivido em outro planeta. E como disse aquele meu ‘parceiro’, o Einstein, conhecem? “A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.” 
A minha mente abriu, claro, até porque seria idiotice da minha parte crer que não aprendi, absorvi ou mentalizei algo nesses 131 dias morando em outro país, mas posso afirma-lhes que eu tenho juízo suficiente para saber o quê, quando, como, onde e porquê quero algo perante a vida.
Porque como já disse o poeta português Fernando Pessoa “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, vivi e viveria novamente isso tudo. Cresci!
Eu, com os meus míseros 1,60m, afirmo para vocês que me sinto como uma super top model ! Com 1,75m e arrasandooooooo...
E posso dizer que agora sim, sou GENTE GRANDE.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Últimas coisas

O Mojito!

Hoje foi meu último almoço na cantina na Residência Universitária de Santa Tecla até porque hoje é o dia que, digamos, tem o cardápio mais 'comestível', como: frango assado, arroz de forno, salada, 'suco', sopa de couve-flor e mingau como sobremesa. Lembrei das coisas que sentirei falta:

  • Usar o elevador só para 'conferir o visual' antes de sair (moro no segundo andar);
  • Reunir todos os 'brazucas' para preparar o almoço ou jantar (aqueles problemas de final de mês);
  • Ser a cozinheira dessas refeições comunitárias;
  • De conferir a ementa da cantina para saber se a comida 'dá para descer..';
  • Da facilidade de encontrar livros na biblioteca do campus e da possibilidade de requerer livros de outros campus! (amo a Biblioteca de Guimarães) =D
  • Dos professores do Mestrado (eles adoram os estudantes pesquisadores brasileiros) e seu auxílio infinito com a bibliografia;
  • De assistir a Fox (Grey's Anatomy, Family Guy, The Simpsons e American Dad);
  • Todas as meninas no banheiro se arrumando para a balada;
  • O 'happy hour' no Rick;
  • Dos bares estilo pub irlandeses;
  • Almoçar na cantina ou está em uma festa e escutar vários idiomas;
  • Melhor ainda, está em uma festa e conversar em espanhol, inglês, português... e fluente! (claro, após de alguns mojitos);
  • Por falar nele, o MOJITO! Eita trem bom! [vou aprender preparar]
  • Jogar WAR e tentar dominar o mundo.. (literalmente)
  • De dançar em cima das mesas nos bares e ser 'super normal'.. \o/
  • De pular de festa em festa (á pé)!
  • Pingo Doce way of life...
  • Tomar chocolate quente, cappuccino, café e não passar mal de calor!
  • Os pastéis de belém, a francesinha, o vinho português de 1 euro e da cerveja de 0,50 cêntimos!
  • Até do frio!
Estou me despedindo dos gostos, dos sabores, das pessoas, das paisagens...
Tudo faz sentido agora...
E tudo que vivi aqui faz com que possa sentir a vida de outra maneira.
Cresci! Mudei... para melhor!
Viva o intercâmbio! =D

Música do Mês

A letra e o ritmo representam muito essa temporada em Braga!
Tenho que agradecer sempre à Deus pelos amigos que fiz do lado de cá e moram do lado de lá...
Brasileiros, sempre unidos! =D
Claro, não esquecer das portuguesas (Helena e Ana Pinto) e romena Roxana! =D

Frase do Mês

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.
(Fernando Pessoa)