sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Política. Choro. Lar. Gente




Hoje, 14 de fevereiro, eu chorei.
Um dia difícil e tenso na Prefeitura Municipal de Araguaina
De um lado o posseiro da área em que mais de 140 famílias moravam e que um certo juiz tinha ordenado a reintegração de posse. Ou seja, derrubariam a casa de todos sem dó nem piedade. Cerca de 500 pessoas na rua da amargura.
Eu já fui no Monte Sinai II. As pessoas são pobres sim e querem comprar o lote,mas não podem arcar com prestações pesadas ou pagar a vista.
Não sei mensurar quantas famílias inteiras passaram mais de cinco horas esperando o resultado da reunião. Foram pedir ajuda para o prefeito e foi nesse momento que vi o empenho do meu chefe em ajudar os dois lados. Tudo que eu aprendi no Direito que "o particular não pode agir em detrimento da coletividade" ficou latente (não sei como o certo juiz não entendeu isso). Vi pais de família desesperados por querer uma solução e sabendo que, se não desse certo, a casa deles iam para o chão. Eu fiquei angustiada. Não há nada mais sagrado do que um lar.
Meu chefe, que é o prefeito, mostrou pulso firme e serenidade. Foi um verdadeiro conciliador. Ele não estava muito contente com a situação e o clima era sim MUITO tenso. Saí no meio da negociação para dar duas aulas. Tive que deixar meu carro no gabinete e fui a pé, pois a Polícia havia fechado a rua e os moradores do Monte Sinai II estavam todos lá no meio da rua... esperando a resposta.
Voltei da aula no exato momento em que havia saído o resultado da reunião e meu chefe conversava e explicava para aquele povo como seria.
Só de lembrar fico emocionada. Mães abraçando seus filhos, palmas, gritos de felicidade, homens chorando, pessoas rezando e agradecendo.. Meu Deus.. eu não aguentei. Eu fiquei muito feliz e chorei com eles (escondida, mas chorei). E foi naquele momento que vi que todas as mágoas, raivas e desapontamentos que já tive nessa minha função compensaram, e que, meu voto não foi em vão. Posso até me enganar, mas eu vi empenho e preocupação nos olhos daquele homem e isso foi o suficiente para ele ter o meu profundo respeito e admiração. Na campanha eleitoral, ele disse que ia ajudar aquele povo e ajudou! Um senhor chegou no prefeito e disse: "- Eu lembro que o senhor falou para mim que ia nos ajudar. O senhor cumpriu. Eu nem acredito. Meu coração dói (e bateu com a mão fechada no peito) de tanta felicidade agora. Nós não vamos perder nossa casa. Nós não vamos perder nossa casa!"
Sim, ainda ecoa em minha mente essa frase e ainda vejo os olhos marejados dele ao falar isso.
Foi lindo. Emocionante. Verdadeiro. Isso é política. Saber agir no momento certo e forma correta. É nisso que eu acredito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário